Tirolesa de Carrinho

Tirolesa de Carrinho

A Tirolesa de carrinho, assim como a tirolesa tradicional, é um tipo de atividade esportiva usada para transpor as pessoas entre um ponto e outro, através de roldanas conectadas por mosquetões a uma cadeirinha de alpinismo. Para isso é fixado um cabo de aço entre os pontos (sendo que um deles está mais alto que o outro). Daí em diante é só escorregar preso a uma polia e curtir a velocidade além das exuberantes paisagens onde normalmente são montadas.

Certamente essa é uma das atividades de aventura que tem a maior aceitação, devido ser uma atividade que não requer nenhum tipo de esforço físico ou destreza. A tirolesa pode ser montada em diferentes ambientes sejam eles fechados (geralmente Tirolesas menores) ou mesmo em Ambientes externos (as Tirolesas maiores). Pode também compor um Circuito com outras Atividades como o Arvorismo e a Parede de Escalada.

Hoje ainda existe mais uma variante da Tirolesa, que é chamada de “Fantasticable”, onde a travessia é feita com o corpo na horizontal, para se ter uma sensação de vôo. Essa vertente está crescendo bastante em pontos turísticos.

História

A Tirolesa foi criada na região de Tirol, na Áustria, onde inicialmente utilizada para travessia de animais, pessoas e mantimentos sob rios e montanhas da região, foi então em meados do século XIX com guerra por toda Europa, onde muitas minas e explosivos eram encontrados pelos caminhos que ela se tornou um meio de transporte eficaz e seguro.

Equipamentos Utilizados

Para a sua prática se faz necessário o uso de cordas e/ou cabo de aço e dependendo da distancia a ser percorrida, roldanas, mosquetões e fitas para ancoragem e back-ups. A tensão da corda é importante para que não se forme uma “barriga” no cabo, o que prejudicaria a trajetória da carga em movimento, podendo detê-la antes do final do curso pretendido.

Para a descida o praticante deve usar cadeirinha de rapel, capacete e luvas, conectados à corda ou cabo de aço através de mosquetão, fita expressa e roldanas. Os equipamentos usados são realmente seguros e tem margem de falhas em níveis próximos à zero, já que são utilizados em duplicidade para eliminar qualquer risco de queda. A atividade é monitorada por instrutores.

Segundo ABETA- Associação Brasileira das Empresas de Ecoturismo e Turismo de aventura, para praticar a tirolesa é preciso ter os devidos cuidados.